15 de mai de 2018

Acupuntura em Idosos 1

Ao longo dos últimos 50 anos, a população brasileira quase triplicou: passou de 70 milhões, em 1960, para 190,7 milhões, em 2010. O crescimento do número de idosos, no entanto, foi ainda maior. Em 1960, 3,3 milhões de brasileiros tinham 60 anos ou mais e representavam 4,7% da população. Em 2000, 14,5 milhões, ou 8,5% dos brasileiros, estavam nessa faixa etária. Na última década, o salto foi grande, e em 2010 a representação passou para 10,8% da população (20,5 milhões), segundo censos demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 1960, de 2000 e de 2010.

A tecnologia e o avanço da farmacologia fez com que os portadores de doenças crônicas vivam mais tempo e assim sendo, surge um público com necessidades e cuidados específicos: a geriatria.
Essa faixa etária possui fisiologia e fisiopatologias próprias. O adoecimento do idoso vem com a própria idade, e de acordo com a exposição prolongada a fatores como poluição ambiental, estresse, alimentação desregrada durante toda a vida, uso de medicamentos por longo prazo e outras doenças existentes (comorbidades).
A Acupuntura alivia as dores crônicas e agudas e auxilia no manejo da dor quando a cirurgia é necessária, mas contra-indicada por vários fatores.
Para a Medicina Tradicional Chinesa, o envelhecer faz parte do ciclo da vida e as características energéticas como tristeza, apatia, ideias e comportamentos obsessivos (teimosia) podem fazer parte. Cuidar dos Órgãos e Vísceras (Zang Fu), mais comumente afetados, também melhora a qualidade de vida dessa faixa etária.

Veja as projeções de envelhecimento da população brasileira:

Fonte: https:www.center-ao.com.br

Acupuntura em Idosos 2




O mundo está envelhecendo. Nas últimas décadas, a terceira idade é o grupo populacional que mais cresce nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Mas o que significa envelhecer? Ficar mais velho não é apenas sentir o tempo passar; nem significa virar doente. Problemas de saúde podem aparecer, mas há soluções. Se tiverem hábitos saudáveis e procurarem se manter ativas física e intelectualmente poderão ter um envelhecimento saudável com boa qualidade de vida, minimizando as alterações próprias da idade e prevenindo doenças que incidem mais após os 60 anos.
O organismo do idoso tem menor capacidade de adaptação e demora mais tempo para recuperar-se que um organismo mais jovem. A incidência de várias doenças é maior nas pessoas com mais de 60 anos, e a presença de mais de uma doença é freqüente. O uso concomitante de vários medicamentos e a redução da função dos órgãos, em especial do fígado e dos rins, aumentam o risco de efeitos indesejáveis dos medicamentos e de intoxicações.
Essa é uma das razões porque a acupuntura potencialmente teria um papel importante no tratamento do idoso. Como ela praticamente não tem contra-indicação e tem efeitos benéficos na redução da dor, na ansiedade, no sono, nos sintomas de depressão leve entre outros, possibilitaria ao idoso reduzir a quantidade de medicação, diminuindo também os seus vários efeitos colaterais, como por exemplo a gastrite desencadeada pelos antiinflamatórios, proporcionando ainda uma melhor qualidade de vida.
A acupuntura é utilizada há milênios no tratamento de doenças. No idoso, especialmente no idoso frágil, o tratamento por acupuntura tem peculiaridades. Um dos principais preceitos de acupuntura recomenda aplicá-la conforme as condições da pessoa. Idosos frágeis e crianças devem ser agulhados com menor profundidade de inserção e por menos tempo. Estimulação excessiva pode cansar o paciente. A moxabustão, ou estimulação de pontos de acupuntura através de calor gerado pela queima de uma erva chamada artemísia, pode ser indicada para fortalecer o organismo.
Mas certamente Acupuntura ajuda sempre e resolve muitos casos.

16 de jan de 2018

Acupuntura, coração e hipertensão


A acupuntura promove profundas alterações no sistema cardiovascular.
Diversos estudos demonstraram que a técnica tem um papel homeostático, ou seja, estimula o sistema a retornar a seus níveis normais.
Ballegaard e cols. (1993) relataram que a acupuntura apresenta ação modulatória sobre o fluxo sangüíneo da pele, reduzindo a temperatura desta, quando elevada e vice-e-versa. 
Yao (1993) demonstrou que a acupuntura pode baixar a pressão arterial elevada em pessoas hipertensas e elevar a pressão baixa nos indivíduos com hipotensão.
West e Colquhoun (1993) relataram que a estimulação elétrica transcutânea pode ser útil para aliviar os sintomas da angina pectoris e melhorar o desempenho cardíaco, provavelmente devido a uma combinação de analgesia com inibição da estimulação nervosa simpática do coração.

 Kalish e cols. (2004), em uma proposta de estudo rigoroso, fazem uma revisão dos possíveis mecanismos de ação da acupuntura na redução da pressão sangüínea em pacientes hipertensos. Estudos prévios demonstraram que a acupuntura reduz a atividade da renina, aldosterona e angiotensina II, aumenta a excreção de sódio e promove alterações plasmáticas de noradrenalina, serotonina e endorfina. Alguns desses mecanismos são os mesmos provocados por algumas classes de medicamentos anti-hipertensivos.

Meridiano do coração 



1. Jiquan (C1)

Localização: no centro da fossa axilar, no lado medial da artéria axilar.

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,3-0,5 tsun; evitar a artéria; moxa, 20 minutos.

Indicações: dor no braço, ombro e peito; dor no coração; nevralgia intercostal; mau cheiro na axila.

2. Chingling (C2)

Localização: 3 tsun acima do cotovelo, na borda medial do músculo bíceps do braço.

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,3-0,5 tsun, evitar a artéria; moxa, 10 minutos.

Indicações: dor de cabeça frontal; icterícia e frieza do corpo; nevralgia espasmo do braço.

3. Shaohai (C3): ponto Ho pertence ao elemento Água; ponto de Mãe

Localização: no lado radial do epicôndilo medial do úmero, acima do ponto inicial do músculo pronador e do músculo flexor do antebraço.

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,3-0,5 tsun; moxa, 5-10 minutos.

Indicações: dor de dentes; dor de cabeça; dor na nuca e antebraço; nevralgia intercostal; torcicolo; zumbido; furunculose; tremor nos braços.

4. Lingdao (C4): ponto Jing pertence ao elemento Metal

Localização: no lado ventral e medial do antebraço, no lado do músculo flexor carpal e 1,5 tsun acima da linha do punho.

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,3 tsun; moxa, 10 minutos.

Indicações: angina pectoris; dor nos braços no lado ulnar; histeria; edema ou paralisia das cordas vocais.

5. Tungli (C5): ponto Lo

Localização: no lado ventral e ulnar do antebraço, no lado ulnar do tendão do músculo flexor carpal ulnar; 1 tsun acima do punho.

Aplicação: agulhar 0,3 tsun; moxa, 10-15 minutos.

Indicações: dor de cabeça e tontura; palpitação; voz rouca; dor de garganta; rigidez da língua; insônia ou sonolência; preguiça; dor no punho.

6. Yinxi (C6) ponto Xi

Localização: no lado ulnar do punho, no lado radial do tendão do músculo flexor carpal ulnar; 0,5 tsun acima do ponto Shenmen (C7).

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,2-0,4 tsun; moxa, 10 minutos.

Indicações: tontura; palpitação; paroxismo da taquicardia; epistaxe; amigdalite; dor de garganta; neurastenia; angina pectoris; soluço; transpiração à noite; histeria.

7. Shenmen (C7): ponto Shu pertence ao elemento Terra; ponto de Filho

Localização: no lado ulnar do punho, no lado radial do tendão do músculo flexor carpal ulnar, atrás do osso pisiforme.

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,1-0,3 tsun; moxa, 15 minutos.

Indicações: angina pectoris; neurastenia; psiconeurose; ansiedade; palpitação; dor de cabeça e tontura; epilepsia; insônia; icterícia; dor na axila; dor na garganta; dor no punho.

8. Shaofu (C8): ponto Ying pertence ao elemento Fogo

Localização: na palma, entre o quarto e o quinto metacarpos, atrás das juntas metacarpo-falangianas.

Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,2-0,5 tsun; moxa, 10 minutos.

Indicações: qualquer problema do coração; palpitação; angina pectoris; diurese; enurese; dor no lado ulnar do antebraço.

9. Shaochong (C9): ponto Jin pertence ao elemento Madeira

Localização: no lado radial do dedinho; 0,1 tsun no canto radial da unha.

Aplicação: agulhar 0,1 tsun.

Indicações: palpitação; dor no peito; dor de garganta; apoplexia; coma.

21 de nov de 2017

Acupuntura na Síndrome da fadiga crônica.





Fadiga, cansaço, exaustão, falta de energia, são queixas frequentes no cotidiano da vida moderna. Aprenda mais como a acupuntura pode te ajudar.
A Síndrome da fadiga crônica é caracterizada por fadiga grave, incapacitante, e outros sintomas, como dor músculo-esquelética, distúrbios do sono, dificuldade de concentração e dores de cabeça.

A causa da síndrome permanece pouco compreendida, mas hipóteses apontam para alterações endócrinos e anomalias imunológicas, disfunção do sistema nervoso autónomo, o processamento anormal da dor e de certas doenças infecciosas, tais como vírus Epstein-Barr e meningite viral.

 Os objetivos do tratamento são reduzir os níveis de fadiga e sintomas associados, para aumentar os níveis de atividade, e para melhorar a qualidade de vida.

As abordagens convencionais incluem a terapia de esforço progressivo, a terapia cognitivo-comportamental (TCC) e antidepressivos.


Como a acupuntura pode ajudar

Há resultados positivos consistentes de estudos observacionais.
Entretanto, dado os resultados muitas vezes insatisfatório de tratamentos convencionais, a acupuntura pode ser uma opção que deve ser considerada, nem que seja como uma alternativa complementar.

Há evidências para apoiar a eficácia da acupuntura em alguns dos sintomas comuns – dor crônica, insônia, depressão.
Em geral, acredita-se que a acupuntura pode estimular o sistema nervoso e provocar a liberação de neurotransmissores. A estimulação de determinados pontos de acupuntura podem afetar as áreas do cérebro que são conhecidos por reduzir a sensibilidade à dor e stress, bem como promover relaxamento e desativar o cérebro da função ‘analítica’, que é responsável pela insônia.


Aprenda mais sobre alguns dos efeitos gerais da Acupuntura e como ela pode te ajudar.
Estimular nervos localizados nos músculos e outros tecidos, o que leva à liberação de endorfinas e outras condições neuro-humorais, alterando o processamento da dor no cérebro e da medula espinal.
Reduzir a inflamação, através da promoção da liberação de indicadores vasculares e imunomoduladores.
Estimular neurônios opiodérgico para aumentar as concentrações de beta-endorfina e aliviar a dor.
Melhorar a rigidez muscular e mobilidade articular, aumentando a microcirculação local, diminuindo o inchaço e dor.
Reduzir a insônia através do aumento da secreção de melatonina endógena noturna.




Acupuntura em Idosos 1

Ao longo dos últimos 50 anos, a população brasileira quase triplicou: passou de 70 milhões, em 1960, para 190,7 milhões, em 2010. O cresc...